“... Sob a Tua Palavra lançarei as redes" (Lc 5.5b)


'O Teu caminho, ó Deus, é de santidade.

Que Deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que opera maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder" (Sl 77.13-14)


sábado, 27 de junho de 2015

'Slow food & Criando laços em nós!'

Na Europa tem crescido o movimento “Slow Food” (http://www.slowfood.com). Simbolizado por um caracol e presente em mais de 100 países, é um programa que estimula as pessoas a curtirem o preparo do alimento, refeições prolongadas e divertidas, saboreadas no convívio familiar. Abaixo a agitação e o 'fast food'.
Qualidade de vida... Como desfrutar de uma vida plena? Há quem diga que seria trabalhar com mais produtividade, porém, com redução do estresse, valorizando a fé, a família, a simplicidade. 
É a consciência de que nos momentos finais de nossas vidas, as perdas que lamentaremos não são relativas a negócios financeiros e sim a relacionamentos.
Há quem diga que o “bel far niente” ou a “beleza de não fazer nada”, seria não valorizar as futilidades e focar nosso coração, especialmente, na família. Um investimento no futuro que impediria uma velhice angustiada, correndo atrás dos prejuízos, corrigindo desavenças e fazendo curativos paliativos em relacionamentos mal resolvidos. 
Enfim... é criar laços em 'nós'!
Salomão disse: “Melhor é um bocado seco e tranqüilidade do que a casa farta de carnes e contendas” (Pv 17.1).

Não se trata de uma apologia a preguiça, a cruzar os braços. Não mesmo! É buscar direcionar o foco (trabalho, valores) no que realmente é durável. É poder na velhice olhar para o passado (rodeado por familiares e amigos) e perceber que a vida não foi desperdiçada.
Jesus adverte Marta: "Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa..." (Lc 10.41-42).
Enfim, pouco é necessário para viver. 
É um desapego ao material... Há quem se esgota de tanto trabalhar pra ter armários e gavetas lotados por coisas que pouco usou ou jamais usará. 

Ser feliz está ligado a simplicidade. É aquietar o coração, é crer que, em Deus e dentro de Sua vontade, tudo que for necessário, será acrescentado (Sl 37.4-5; Mt 6.33-34). É ter o coração agradecido por tudo que tem, desfrutando com prazer de uma família estável, que valoriza a honra e a lealdade.

Voltamos nesta madrugada da Europa. Quantas boas lembranças criamos em nosso coração e quantas outras reforçamos ali.  




No Restaurante 'O Bacalhoeiro' (Rua dos Sapateiros, 218) em Lisboa (Portugal) , estava escrito num vidro de azeite: 
"Com este fio não darás nós, mas criarás laços. 
Atrás o bacalhau e o grão, ligarás a salada e os legumes, 
molharás o pão e os beiços e 
temperarás a família, a amizade" (lagarvalesarzedo@hotmail.com)

Hummm, quantas boas lembranças... meu avô materno italiano, Liberato Fabri (vô Liberal), nascido no dia 23/10/1891, na Comune de Magliano Sabina (Provincia di Rieti) e minha mãe Luiza comendo pão com azeitona e azeite temperado com orégano. Os europeus temperam o azeite, a manteiga e o vinagre com orégano, pimenta vermelha, alecrim, folhas de louro. Fica muito saboroso. Vale a pena testar! 

Isso mesmo, faz muito bem temperar e valorizar a vida...
            É criar laços em 'nós'!!!
Creia. Ser feliz é uma decisão pessoal, que independe das circunstâncias mas sim do que priorizamos em nossas decisões diárias. 

É verdade que é difícil praticar isto num mundo que não admite negativas, perdas e que nos cobra ativismo e agitação o tempo todo. 
Mas que Deus nos ajude a jamais perder o foco do que é realmente prioritário.


Nenhum comentário: