“... Sob a Tua Palavra lançarei as redes" (Lc 5.5b)


'O Teu caminho, ó Deus, é de santidade.

Que Deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que opera maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder" (Sl 77.13-14)


terça-feira, 20 de setembro de 2011

“A esperança que tenho em Deus não me envergonhará”

“Sucedeu, depois da morte de Moisés, servo do Senhor, que este falou a Josué, filho de Num, servidor de Moisés, dizendo.
Moisés, meu servo, é morto; dispõe-te, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel. Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu prometi a Moisés (Js 1.1-3)

            Moisés, o maior profeta de Israel, o esteio de Josué, estava morto. Os filhos de Israel choraram Moisés por 30 dias (Dt 34). E agora? Josué é desafiado a substituí-lo. Como substituir um homem que falava com Deus face a face?
Momento difícil, de inquietude. Tanta gente pra aconselhar, animar, tanto trabalho pra fazer de modo que aquele povo, num deserto, se adaptasse a uma nova liderança e prosseguisse rumo à Terra Prometida...
Tinha sobrado pra Josué? Não mesmo! 

Com Deus não há restos, sempre há um renovo!
Deus faz novas todas as coisas. Deus considera e supre as necessidades de cada um individualmente. 


Deus trabalha no varejo, nunca no atacado.
Josué estava sendo lapidado, preparado pelas mãos fortes de Deus. Agora era o tempo dele, seria honrado na sua fé, assumiria a liderança do povo, sob a orientação do Pai.

Deus fala com Josué e ele ouve. Havia sintonia, reciprocidade, compreensão. Não mais seria Josué, servo de Moisés e sim, Josué, assistente direto de Deus. Josué não mais ouviria o plano de Deus pela boca de Moisés. Agora, Deus falaria direto com ele.
Entretanto, Josué só pode ser usado por Deus porque valorizava mais a Presença do Pai do que os feitos, as obras ou, até mesmo, a presença de Moisés.

Conta uma lenda que certo sábio hospedou-se com seus discípulos num casebre, junto a uma família muito pobre. Esta família tinha terras e seu sustento procedia de uma vaquinha. Ao saírem dali, um dos alunos diz ao sábio que gostaria de ajudar esta família tão pobre, porém, tão generosa. O sábio aconselha: - “Quer ajudar? Empurre a vaquinha pelo precipício”. O aluno, sem entender, faz isto. Anos mais tarde, ao voltarem pra lá, tiveram uma surpresa. O casebre fora substituído por uma mansão, havia prosperidade, muitos animais, funcionários. Souberam que a família era a mesma. A perda da vaquinha fez com que se movessem, plantassem, fossem a luta. E assim prosperaram.

Muitas vezes Deus permite que percamos o nosso apoio: emprego, familiares, posição social para que tomemos posição, avancemos sem muletas, na dependência total d’Ele.

Josué vibrava, esperava no Deus vivo que intervém, no Senhor dos milagres. Aconselha ao povo: “Santificai-vos, porque amanhã o Senhor fará maravilhas no meio de vós... Chegai-vos para cá e ouvi as palavras do Senhor, vosso Deus... Nisto conhecereis que o Deus vivo está no meio de vós...” (Js 3.5, 9 e 10).

O Deus de Moisés, o Deus de Josué é o mesmo Deus que tem se revelado a nós. Josué nos ensina a esperarmos maravilhas do nosso Deus.  
Entretanto, há requisitos. Antes de tudo: santificai-vos, jogai fora os entulhos. Deus não fará maravilhas no meio do pecado. Precisamos colocar nossa casa interior em ordem, fazer uma faxina. Tirarmos as mágoas, as dúvidas, o comodismo, o ranço . Arrependermos, pedirmos perdão e nos dispormos, agora, já:
“... Dispõe-te, agora, passa este Jordão...” (Js 1.2)
Deus nos desafia a sairmos da zona de conforto, a cruzarmos caminhos desconhecidos (Js 3.4), a darmos o passo da fé, a cortarmos as águas (Js 3.13), aproveitando a oportunidade de atravessar para o outro lado do Jordão. 
Seja um novo curso, concursos, novo emprego, transformações (palavras, atitudes, relacionamentos) e, o principal, a busca de Deus e da Sua vontade. 

Vida nova nos espera! Haverá obstáculos? Sim! Lutas? Sim! Elas serão os halteres que fortalecerão nossa fé, nossa dependência no Senhor dos Exércitos!

 “Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim?
Dize aos filhos de Israel que marchem” (Ex 14.15).

Como está a sua vida? Sente necessidade de mudanças, mas está com medo de enfrentar o desconhecido? Decida marchar com objetivo, disciplina, persistência, em obediência, sem duvidar, sem fraquejar.
“Ampara-me, segundo a tua promessa, para que eu viva;
não permitas que a minha esperança me envergonhe” (Sl 119.116)

Deus está conosco e na herança que procede d’Ele, ninguém põe a mão (Js 1.5-8): “Não to mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o Senhor, teu Deus, é contigo por onde quer que andares” (Js 1.9)
Para refletir: Toda promessa é condicionada a obediência.
“Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, 
farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido.” (Js 1.8 - grifo adicionado)

Um comentário:

Pamela Araújo disse...

Muito bacana seu blog gostei bastante, obrigada pela sua visita, que Deus a abençoe grandemente, a srª e a seu ministério .