“... Sob a Tua Palavra lançarei as redes" (Lc 5.5b)


'O Teu caminho, ó Deus, é de santidade.

Que Deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que opera maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder" (Sl 77.13-14)


sábado, 9 de novembro de 2019

'Há esperança para o teu futuro, diz o Senhor!'

Tenho me lembrado frequentemente do livro ‘A Revolução dos Bichos’, publicado pelo escritor inglês George Orwell, em 1945, como uma sátira ao regime comunista da época. É considerado um dos cem melhores livros da língua inglesa pela revista norte americana ‘Times'.
     O livro conta a história de Major, um velho porco, morador da fazenda do Sr. Jones, que sonha com uma revolução contra a opressão e os maus tratos que os animais sofriam da parte dos humanos.
     Dias antes de falecer, Major revela seu sonho a todos os bichos. Dois porcos, Bola-de-Neve e Napoleão, decidem lutar por um novo regime onde imperaria justiça e igualdade.
     Com entusiasmo, todos os animais partem pra luta, cada um com suas habilidades e características representando, curiosamente, as diferentes nuances do caráter humano.
     Estabelecem os sete Mandamentos que regeriam esta nova sociedade:
 1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
2. Qualquer coisa que ande sobre quatro pernas, ou tenha asas, é amigo.
3. Nenhum animal usará roupa.
4. Nenhum animal dormirá em cama.
5. Nenhum animal beberá álcool.
6. Nenhum animal matará outro animal.
7. Todos os animais são iguais. 
     Entretanto, a sede do poder perturba Napoleão que expulsa Bola-de-Neve e o acusa, injustamente, de traidor. Bola-de-Neve desaparece após ser perseguido pelos cães criados e doutrinados por Napoleão.
     Napoleão estabelece uma ditadura corrupta e passa a negociar com os humanos, a morar na antiga casa do Sr. Jones, a beber e a andar sobre duas patas.
     Para se adequar, novos mandamentos são impostos, tais como: ‘Nenhum animal beberá álcool em excesso; nenhum animal matará outro animal sem motivo’ e, finalmente: ‘Todos os animais são iguais, mas alguns animais são mais iguais que os outros’.
     Os bichos são submetidos a uma escravidão muito pior que a anterior. Trabalhavam mais, recebiam menores porções de rações e eram submetidos a um regime de intolerância geral a quaisquer níveis de rebeldia ou contestação. Poucos se lembravam, ainda que vagamente, da época do Sr. Jones.
     Finalmente, há uma reunião barulhenta e festiva na casa principal entre os porcos mais proeminentes e os agricultores vizinhos.
     Os animais mais corajosos, curiosos, atrevem-se a espiar pela janela, observam os discursos sendo feitos, os jogos de baralho e consideram que já não se podia identificar quem era porco e quem era homem...
Leitura interessante e agradável, vale a pena ler: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/animaisf.pdf
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Momentos difíceis... onde vemos corruptos e corrompidos sendo protegidos e valores morais desconsiderados.

Quando presenciamos, inertes, nova linguagem de vida sendo transmitida para as novas gerações: individualismo, superstições, oficialização da imoralidade e beneficiamento de bandidos de colarinho branco.  

Vozes que se escancararam no passado contra a repressão, hoje, convenientemente se tornaram CONIVENTES, emudeceram num corporativismo deplorável. Quanta decepção!

Assisto perplexa os desmandos do nosso país e ouso sonhar e clamar a Deus, Senhor dos impossíveis, por mudanças!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Hoje, 18/09/2012: 

Algo novo está acontecendo! 
Uma nova história está sendo construída!
Louvado seja o nosso Deus!

Parabéns aos membros do Supremo Tribunal de Justiça do Brasil que não se renderam.
Àqueles que, com ousadia, tem lutado, sem esmorecer, mesmo diante de ameaças, a fim de que a justiça seja feita!

Aos réfens (felizmente, a minoria, nesse caso), aos que se renderam, aos covardes... nosso profundo pesar e lamento. 

Oxalá se envergonhem, do triste legado, desonrosa memória que estão deixando para os seus descendentes!



Vamos em frente! 


'Há esperança para o teu futuro, diz o Senhor!'


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ ~

Misto de tristeza, frustração. Sou totalmente contra violência, mas como cristã não posso e não devo me omitir. Omissão, neste caso, é ser conivente com os desmandos, a injustiça, a banalização da lei. 
  
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Abaixo, textos do Rev. Hernandes Dias Lopes (extraídos do facebook), para sua reflexão: 

BRASIL, O PAÍS DOS CONTRASTES

Hernandes Dias Lopes
O Brasil é o país dos contrastes: um país rico, com um povo ainda assolado pela pobreza;
um país com grandes universidades e maioria da população ainda sem acesso às universidades;
um país de tributos pesadíssimos e uma gestão perdulária;
um país assaz religioso, mas entregue ao paganismo sincrético.

Anseio ver um Brasil onde a classe política sirva o povo em vez de servir-se dele;
um país onde os tributos sejam destinados ao bem do povo e ao progresso da nação em vez de servir para locupletar os avarentos inescrupulosos;
um país onde a ordem e o progresso não sejam apenas distintivos do nosso pavilhão nacional, mas um ideal defendido por todos os brasileiros.


POLÍTICA
Hernandes Dias Lopes
É grande, profunda e crônica a decepção com os políticos.
Uma onda de descrédito com os políticos varre a nação.
A maioria dos políticos se capitulam a um esquema de corrupção, de vantagens fáceis, de fisiologismo, nepotismo, enriquecimento ilícito, drenando as riquezas da nação, assaltando os cofres públicos e deixando um rombo criminoso nas verbas destinadas a atender às necessidades sociais...

'Nunca nos esqueçamos de que a 
Bíblia nos ensina a interceder,
honrar e obedecer as autoridades constituídas' (Romanos 13.1-7).



Hoje, 07/11/2019
O STF decidiu aguardar o trânsito em julgado de réus ainda não condenados em segunda instância. Isto permitiu a liberação de um número imenso de condenados por diversos crimes. 
A decepção no meu coração é grande. 
Não é maior porque creio num Deus que me ensina a não ter medo de más notícias (Salmos 112.7) e a certeza de que ao que nos diz respeito, Deus resolverá, Deus levará a bom termo (Salmos 138.8). 
Clamemos pelo Brasil para que a democracia permaneça, que tenhamos sempre liberdade de expressão, de cultuar a Deus, sem perseguições...
"Deus, tenha misericórdia do Brasil!"



sexta-feira, 25 de outubro de 2019

"Quando tudo se faz escuro e os ventos nos são contrários..."


"Aprendendo com os bichos: Em busca da luz"
“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos” (Sl 119.105)      
Os insetos são atraídos para luz em busca de orientação, liberdade...
        Como é terrível a escuridão! Anos atrás, Deborah e eu, estávamos viajando de carro por uma estrada em reforma.  Já era noite e caía um forte temporal. A pista estava sem sinalização, com desvios incertos e apresentava alagamentos em determinados pontos. A única coisa que enxergávamos era a luz difusa de muitos caminhões nos dois sentidos, na nossa frente e atrás de nós. Com dificuldade, entramos na primeira cidade que avistamos. Recolhidas num hotel, agradecemos a Deus pelo livramento.
Pela manhã, saímos tranquilas. A chuva persistia, mas a luz indicava o caminho.    
As trevas têm trazido desastre para muitos. Deus é a luz da vida. A Sua ausência gera angústia, medo, falta de direção, falta de visão, tal como a escuridão.
Os discípulos de Jesus, ao final de um dia cansativo, desceram para o mar, tomaram um barco rumo a Cafarnaum (Jo 6.16-21): “...já se fazia escuro e Jesus ainda não viera ter com eles”

O mar agitava-se por um vento contrário. O medo ficou ainda maior quando viram um vulto andando por sobre o mar e aproximando-se do barco. 
Jesus, porém, os confortou dizendo: - “Sou eu. Não temais!”.
Assim é com a nossa vida. Deus não nos prometeu bonança permanente. Há momentos de escuridão, de lutas. A tempestade vem para todos, mas somente com Deus na história, passaremos por ela seguros.
Quando se faz escuro, podemos nos lembrar que Jesus está vindo ao nosso encontro. Jesus, luz enviada por Deus para tirar o mundo das trevas: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida” (Jo 8.12).
Esse é o Deus que seguimos, Deus de amor, que vem ao nosso encontro, Deus que visita o Seu povo e muda a nossa sorte.
O mundo oferece muitas opções de luzes enganosas que acenam e, falsamente, prometem liberdade, mas que no final, afastam o homem do propósito e da glória de Deus. Muitos, como os insetos, morrem se debatendo.
Muitas vezes, pela nossa limitação e visão embaçada, não enxergamos o livramento do Senhor. Louvado seja Deus que nos deixou a Sua Palavra: Luz para não tropeçarmos nos obstáculos, lâmpada que indica o caminho certo e ouvimos Jesus nos confortando: “Estou aqui. Não temais!”. Sim, eu creio que não preciso ter medo porque é Deus quem luta por mim!!!

“Senhor, obrigado por ter me resgatado das trevas para a Sua maravilhosa Luz. Preciso da Sua presença na minha vida. Ilumina o meu caminho e me dá a Sua direção que tira o medo e traz a paz, mesmo em meio ao turbilhão da vida. Em nome de Jesus, nossa Luz. Amém!”.

“Vinde, ó casa de Jacó, e andemos na luz do Senhor” (Is 2.5)

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

"Deus não nos deixa sós"

Amplia minha fronteira, Senhor! 
Aprendendo com o bicho-preguiça (Bradypus variegatus)
Texto Bíblico: Oração de Jabez, atendida por Deus: “Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a Tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição” (1 Crônicas 4.10)
           
O bicho-preguiça, mamífero de pêlos longos, evita se mexer, adaptou-se a uma vida de lentidão em tudo: movimentos, respiração e até sua digestão. 
Alimenta-se de folhas, flores, brotos e frutos. Seletivos quanto à fonte de alimento mostram preferência pelo fruto macio e doce da embaúba (Cecropia), árvore de zona tropical, freqüente na região Amazônica. Também é conhecida como "árvore-da-preguiça", por abrigar estes bichos nos seus galhos.
Raramente descem ao solo, a não ser para fazer suas necessidades fisiológicas, uma vez por semana. Foto abaixo de um flagra deste momento no Parque do Sabiá em Uberlândia (MG), onde moramos e estávamos, meu esposo e eu, fazendo caminhada - 11/02/2016.

Quando esfria, o bicho-preguiça entra num processo de letargia, similar a hibernação. Nadam relativamente bem, porém, apresentam dificuldades de se movimentarem no solo. Penduram-se nas árvores pelas suas longas garras e são capazes de girar a cabeça de modo a enxergar o que acontece em suas costas, sem movimentar o corpo. Nenhum perigo ou predador tiram sua sonolência.
Deficientes na visão e na audição, orientam-se pelo olfato. O cérebro, do tamanho de uma azeitona, é um dos menores, considerando a proporção cérebro e corpo.

O bicho-preguiça não tem culpa de ser assim. Estas características são inerentes à sua espécie. Entretanto, quantos homens não vivem, por decisão pessoal, de modo indiferente como o bicho-preguiça? 
Adaptaram-se a um estilo de vida sedentário, individualista. 
Não se relacionam, não aceitam novos desafios, expõem-se a predadores.
"Vencer a preguiça é essencial para sermos donos do nosso destino" (T. Atkinson)

Há quem se torne apático por medo de sofrer. Um provérbio popular diz: “Quem não quer sofrer, nasce morto”. Muitos perambulam, com nome de vivo, mas estão mortos por dentro. Segundo o Rev. Magno V. Paterline: - “Morreram e esqueceram-se de cair”.

Entretanto, não foi para este estilo de vida que fomos criados. 
Certa jovem, visitando uma exposição de múmias, tomou a decisão de não se abater pela preguiça. Tudo de bom e digno que viesse à sua mão, dentro de suas possibilidades, faria. Deixaria o descanso para a eternidade. Aqui na terra, usaria os recursos que Deus lhe deu para produzir, lutar, enfrentar desafios sem desistir e vencer o seu próprio medo e timidez:
"O covarde nunca tenta, o fracassado nunca termina e 
o vencedor nunca desiste" (Norman V. Peale),

O poema “Ilusões da vida”, de Francisco Otaviano, diz: “Quem passou pela vida em branca nuvem, e em plácido repouso adormeceu; quem não sentiu o frio da desgraça, quem passou pela vida e não sofreu, foi espectro de homem – não foi homem, só passou pela vida – não viveu”. 
Passar pela vida em brancas nuvens é o retrato de quem não se arrisca, de covarde que não enfrenta. 
Deus nos fez ousados e quer ampliar nossas fronteiras. Isto exige ação, exige que saiamos da zona de conforto. 
Como assim? Lutar pelo nosso casamento, pelos nossos relacionamentos (perdoar e pedir perdão), assumir ministérios na igreja, especializar-se, fazer uma faculdade, prestar concursos, ir à luta!

Pode gerar sofrimento, mas resultam em frutos, realizações, no gosto da vitória. 
E a escola da adversidade nos ensina, nos habilita. As tempestades fortalecem nossas pernas e podem ser o instrumento de Deus para mudar o rumo do nosso barco e ampliar nossas fronteiras.
'Com Tua mão segura bem a minha
E pelo mundo, alegre seguirei
Mesmo onde as sombras caem mais escuras
Teu rosto vendo, nada temerei' (J. Neto)

Para Refletir: Você tem se afundado na covardia? Tem resistido a novos projetos? Tem se conformado com uma vidinha sem desafios, sem novidades? 
          Hoje é o tempo da oportunidade de enfrentar, de assumir as rédeas do seu destino, de construir um novo legado, sob a orientação de Deus:

Oração: “Senhor, amplia a minha fronteira, minha visão. Dê-me força, direção, sabedoria para cumprir projetos inovadores e audaciosos. Segura minha mão, óh meu Deus e, então, nada temerei. Em nome de Jesus, amém”.


"Porque Eu, o Senhor, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: 
Não temas, que eu te ajudo" (Isaías 40.13)

Não estamos sós! Nossas mãos estão envolvidas pelas mãos do Deus Eterno! ALELUIA!

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

"Palavras de vida"

     Meses atrás, num encontro de casais em Caldas Novas (Go), ouvi um testemunho que tocou profundamente o meu coração.
     Uma jovem, ao fazer transplante de medula, ficou meses na UTI por conta de uma infecção generalizada e comprometimento do seu coração. Certo dia, o médico chamou os familiares para a despedida final. 
     Entretanto, seu esposo insistia com ela: "Não se vá! Ainda não chegou a hora, ainda não fizemos as viagens que sonhamos. Lembra 'daquele' sonho? Ainda não o cumprimos... não se vá!"
      
     Esta moça disse: "No meu vale da sombra e da morte, quando faltou luz, meu marido se achegou a mim. Quem é o meu outro? É ele! Meu cônjuge!" 
     Que o nosso cônjuge, filhos e amigos encontrem em nós esta força em seus momentos de escuridão e lutas. Que, abastecidos em Cristo Jesus e na Sua Palavra, possamos transmitir ânimo, calor e esperança.

"Ensina-nos, óh Deus, a tornar o ambiente mais acolhedor e produtivo por onde passarmos. Que, no anonimato e sem levar crédito, possamos fazer diferença a quem estiver ao nosso redor, melhorando sua performance e seu entusiasmo no viver".

"Um ao outro ajudou e ao seu próximo disse: Sê forte" (Isaías 41.6)


terça-feira, 22 de outubro de 2019

"Dance a vida: Por onde 'flor'... vá com trilha sonora"


Linda meditação da minha filha Deborah, no seu instagram: 
https://www.instagram.com/rabiscos_deh/ (recomendo muuuito).

"Por onde 'flor'... 
Vá com trilha sonora! 
E... dance a vida! 
Dance pq daí sacode a poeira, dance pq é divertido, dance pra pagar uns micos... 
Dance pq até a sua vizinha de 134 anos dança com o pessoal da terceira idade e é um arraso (rs). 
Boa noite chuvosa e bom dia de sol!"


"... aprendi a viver contente em toda e qualquer situação" (Fp 4.11a)
Ser feliz é um aprendizado, uma decisão. 
É trazer à memória o que pode dar esperança (Lm 3.21).
É registrar os milagres de um Deus que está sempre nos surpreendendo e usar estes registros como halterofilismo da fé num Deus que tem se esmerado em cuidar de nós (1 Pe 5.7).

"Na escuridão, lembre-se do que aprendeu na luz" (Joseph Baily)
É usar este aprendizado para se direcionar ao futuro extraordinário projetado por Deus, 
que sempre nos surpreende. ALELUIA!!!



sábado, 28 de setembro de 2019

Final feliz para Morávia: duelo em dueto!

Avivamento Morávio: completa hoje 288 anos



          Fui surpreendida pela visita de um morador de Morávia em meu blog, na segunda feira p.p. (10/08/15). Como sempre faço, fui localizar este país no mapa. Por 'coincidência', dois dias depois (12/08/15) li uma meditação sobre um grande avivamento experimentado pelos morávios, no início do século 18. Curiosa, fui consultar mais a respeito e fiquei maravilhada. Agora à tarde decidi escrever sobre o 'avivamento morávio' e, admirada, verifico que hoje (13/08/2015) completa exatamente 288 anos de quando tudo começou.


          


O que aprendi?
          Morávia situa-se na Europa e é a parte oriental da atual Republica Tcheca. 
           Faz fronteira ao norte com a Polônia e Silésia. Ao sul com a Áustria, ao leste com a Eslováquia e a oeste com a Boêmia. Recebeu este nome porque seu início se deu com o povoamento das margens do Rio Morava por eslavos, nos anos 500 d.C.

          Início do século 18: um pastor de ovelhas morador de Morávia, Christiano David, apelidado 'o servo do Senhor', preocupado com a perseguição religiosa que os reformadores enfrentavam em seu país, procurou o conde alemão Nikolaus Ludwig von Zinzendorf que concordou em recebê-lo em suas terras, em Herrnhut, juntamente com outros cristãos perseguidos. 

          





Em 1722, numa viagem de 12 dias através de montanhas, Christiano chega em Herrnhut, com 5 famílias morávias. Pouco a pouco, mais refugiados, de várias origens, vão chegando e todos são recebidos com muito carinho pelo conde. Dentre eles havia seguidores de Calvino, Lutero e João Huss (reformador de origem tcheca). Infelizmente, houve entre eles divergências a respeito de algumas doutrinas. 

 O historiador Hutton conta que o conde interviu sabiamente, transformando um possível duelo em dueto organizando grupos administrados por 42 estatutos.

          No dia 13 de agosto de 1727 (exatos 288 anos atrás), todos foram convidados para Celebração da Ceia do Senhor. Naquela noite desfrutaram de uma alegria e uma comunhão extraordinária. Decidiram não valorizar os pontos discordantes e sim os que eram de crença comum e se unirem em uma intercessão de hora em horadurante 24 horas/dia. Há quem diga que esta vigília ininterrupta de oração durou mais de cem anos. 
          As orações resultaram num avivamento sem igual. O amor fraternal, a vontade que o mundo tivesse o mesmo privilégio que gozavam despertou no povo morávio uma premência por missões e esta igreja chegou a sustentar mais de 300 missionários, em várias partes do mundo. 

         Eis a história de um povo que buscou compreender a Palavra de Deus, se submeteu a Ele em oração e se uniu, apesar das diferenças. A receita e o resultado final são os mesmos experimentados pela igreja primitiva:
 "E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações... Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum.... Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que ia sendo salvos" (At 2.42-47)
          Conta-se que Peter Meiderlin, teólogo luterano da cidade de Augsbrg (Alemanha), teve um sonho impressionante em 1627, no qual foi incentivado a perseverar na simplicidade e humildade de coração. Quando acorda ele escreve esta frase: "Si nos servaremus In necessariis Unitatem, In non-necessariis Libertatem, In utrisque Charitatem, optimo certe loco essent res nostrae" que significa: "No essencial, unidade; no não essencial, liberdade; e em ambas as coisas, o amor"*
          Não podemos deixar que coisas não essenciais, picuinhas, bobagens sejam motivos de divisão e da perda do foco no essencial, na doutrina ensinada por Jesus Cristo e transmitida a nós pela igreja primitiva.
          A comunhão, o estar juntos traz harmonia, paz, alegria ao corpo de Cristo que é a igreja. Quando há comunhão, Deus ordena Sua benção e vida abundante: 
"Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos... Ali, ordena o Senhor a sua benção e a vida para sempre" (Sl 133) 

          Conflitos internos ou externos não podem atrapalhar o crescimento espiritual do povo de Deus. Não podem ter o poder de afastar-nos da oração, da comunhão entre os irmãos, da Presença de Deus. 
          Que o nosso Deus intervenha na nossa história tão inundada e dividida por ventos de doutrina.
          Ah, que o nosso país acorde para que possamos nos unir em oração e que Deus traga um renovo na vida do Brasil como trouxe ao povo morávio 288 anos atrás.
         Que comece comigo e com você. Não nos descuidemos da oração. 
         Voltemo-nos para o Senhor porque somente Ele pode curar a nossa nação!

Refletindo: Que tal começar hoje uma campanha de oração em favor das nossas famílias, nossas igrejas e do povo brasileiro?

“Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra" (2 Cr 7.14)

Referências e Fotos:
* http://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLUME_V__2000__2/Frans_Leonard.pdf
* Dia a dia com Deus - 40 dias de Avivamento. Livro Devocional. Publicações RBC, Curitiba (PR)
* http://www.ultimato.com.br/revista/artigos/311/no-essencial-unidade-nas-diferencas-liberdade-e-em-ambas-as-coisas-o-amor
* Fotos extraídas de: http://www.mousetravel.net/serene-beauty-of-moravia/
e http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.platanoeditora.pt/ e http://www.agmisgpn.org/node/65

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

"Deus que ouve, Deus que se importa comigo e com você"



Gênesis 21.8-18
Isaque nasce!
        Deus aparece e diz para Abraão que o faria fecundo, pai de numerosas nações) e, finalmente, quatorze anos após o nascimento de Ismael (filho de Abraão com Agar, serva de sua esposa, Sarai), Deus concede o filho prometido.
Isaque nasce e é desprezado pelo seu meio-irmão, Ismael.
        Certa madrugada, Abraão, acuado pelos freqüentes conflitos familiares e, orientado por Deus, entrega pão e água a Agar e a despede. 

Agar retorna ao deserto. 
        Na primeira ida de Agar ao deserto (Gênesis 16), Ismael estava em seu ventre. Agora, pela segunda vez, Agar se depara com o deserto de Berseba. Só que agora, a situação era pior.
        Agar não estava foragida por decisão própria. Estava ali forçada, por determinação de Abraão. Não tinha a alternativa de voltar. Sente-se traída, rejeitada. Não tivera culpa. Fora usada por sua senhora e agora, quando mais precisava de um ombro amigo; encontrava-se só, com seu filho, morrendo, num deserto.
        Quando acaba o suprimento, Agar deixa o menino sob um arbusto e se afasta, desesperada. Vai caminhando, chorando, por cerca de duzentos metros. Não quer presenciar a morte do seu filho. A garganta seca e o sol inclemente do deserto a sufocavam. Tinha consciência de que animais selvagens deveriam estar à espreita, prontos para devorá-los. Agar, então, procura apoio, clama ao Único que poderia ajudá-la (Gn 21.8-21) e Deus fala com Agar:
“Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino, daí onde está. Ergue-te, levanta o rapaz, segura-o pela mão, porque Eu farei dele um grande povo” (Gn 21.17-18).

Este é o nosso Deus, Deus que ouve o nosso clamor, que se importa com a nossa dor. Deus que se deixa achar quando O buscamos de todo nosso coração.
Busque a Deus. Ele prometeu:
        Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração. 
 (Jr 29.12-14).

"Deus que vê, Deus que acode e acolhe"


Por volta de 2.000 anos a.C., Abrão e Sarai, peregrinavam rumo a Canaã, terra fértil, onde construiriam uma grande linhagem, conforme promessa de Deus (Gn 15.1, 5). Mas, o tempo passava e Sarai não gerava filho. Um dia, já com idade avançada, Sarai procura Abrão e diz: - “Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz filhos; toma, pois, a minha serva, Agar, e assim me edificarei com filhos por meio dela” (Gn 16.2). 
        O projeto de Sarai se cumpre. Agar, sua escrava egípcia, engravida. Mas, ao invés de trazer alegria, gera confrontos e tristeza. Sarai, desprezada por Agar, pela sua infertilidade, revida e humilha Agar. A situação fica tão insustentável que Agar foge para o deserto.
        No deserto de Sur, a caminho de sua terra, o Egito, Agar senta-se junto a uma fonte de água. Um anjo de Deus aproxima-se, ordena que ela volte para junto de Sara e diz que o seu filho deveria ser chamado Ismael que significa: “porque O Senhor te acudiu na tua aflição”.
        Ali, no deserto, angustiada, Agar declara: - “Tu és Deus que vê; pois disse ela: Não olhei eu neste lugar para aquele que me vê?” (Gn 16.13). Agar obedece. 


Olhe para o Deus que vê... 
Deus que conhece o tamanho da sua luta. 
Deus que acode e acolhe.
Deus que transforma o deserto da dor em mananciais de alegria.

Disse Jesus: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados e Eu vos aliviarei" (Mateus 11.28)


segunda-feira, 6 de maio de 2019

Maio de 2019: "Aniversário cheio de emoções"

Aniversário cheio de emoções: 
1. Café na cama, feito pelo meu maridão: 

2. Declaração da minha filha Deborah, no instagram:
"Maio é duplamente dela 👩‍👧♥️ 
Essa semana tem níver (6/maio) e dia das Mães. 
E tem fotinha com texto de uma saudade acumulada: 
"Um dia desses, o som dos caminhões reformando nossa rua em Uberlândia, me lembraram do barulho do filme 'Jurassic Park' quando Dinossauros estavam por perto. 
Minha mãe entrou no quarto enquanto eu pensava nisso e eu a alertei: "Mãe... cuidado! Tem dinossauros lá fora!". 
Ela parou por um instante, me olhou séria e logo respondeu, convicta: "Tá bom! Eu mato eles pra você!" . 
Eu ri da espontaneidade dela diante da frase sem pé nem cabeça. 
Mas pensei: É... minha vida toda, ela ajudou mesmo a matar meus dinossauros! 
Sempre com essa disposição firme e incondicional. 
Dinossauros que vieram desde no formato de aprender a amarrar um tênis badernado, até como duras noites de finalizações de TCC, com aquele incentivo q, mesmo à distância, deixava td mais leve.
 Alguns dias, calamitosos dinos em forma de perigosíssimas baratas voadoras! E como são tumultuados esses enfrentamentos... 
Mãe: Amor q tende ao infinito. Amor disposto a matar dinossauros! 
Ou a ensinar ou nos dar armas para enfrentá-los sós. 
Mãe é aquele aconchego nos tantos anos longe de casa, e a certeza de ter âncora em um porto seguro. Ela já é a minha maior saudade! 
Digo que já é, porque cada fase que passou teve uma cor, um cheiro, um gosto bom q não se repete e já deixa ativa aquela 'saudadinha' boa q aquece o coração. 
Quentinho como nas orações antes de dormir, que ainda depois de mais velha, ajudam a lembrar que Deus continua cuidando de td; com aquela voz de tom tão conhecido, quase naquele mesmo balanço das músicas de ninar... 
Não consigo imaginar uma mãe melhor. Perfeita! Mesmo nos defeitos que todos temos, ela é perfeita. 
Minha mãe linda, professora, médica por aclamação, melhor amiga, presente de Deus na nossa família... e um terror pros meus dinossauros 😊💛"
Obs: Deborah diz que eu sou médica dela. Mas, ela me despede sem remoroso quando ofereço leite quente com café rsrs

Com meus filhos Deborah e Leandro

terça-feira, 23 de abril de 2019

"Sucesso sem sucessor, é fracasso"


            Ouvi e gostei muito. Myles Munroe, pastor em Bahamas, pouco antes de sua morte, em nov/14, declara que somente deixa um bom legado quem investe em  pessoas e que o sucesso só é sucesso quando deixamos um sucessor: O sucesso sem sucessoR é fracasso.  
           Jesus Cristo investiu em pessoas, não construiu igrejas, organizações e Ele disse: 'É melhor que Eu vá porque a minha ausência é a sua grandeza' (Jo 14.12-13). 

            Qual o motivo de estarmos vivos? Há um propósito do Senhor para as nossas vidas. Como filhos legítimos de Deus somos chamados para deixar um legado. Um legado eterno.
            Perguntaram para o contador de um milionário: "Quanto ele deixou?" O contador respondeu: "Deixou tudo, não levou nada com ele".
            Que sejamos lembrados não pelo que amealhamos e sim pelos relacionamentos que cativamos e conservamos; por estratégias que promovemos e encontraram abrigo em outros corações. Pela grandeza da saudade que deixamos.
“...Prepara-te, ó Israel (ó leitor)
para te encontrares com o teu Deus” (Am 4.12). 

     Que ao chegarmos na eternidade, Deus olhe para mim e para você e diga: “Muito bem, servo bom e fiel, fostes fiel no pouco, sobre o muito te colocarei, entra no gozo do Teu Senhor” (Mt 25.21).
     Que isto seja real na nossa vida. Que possamos estar preparados e com as nossas mãos repletas de frutos preciosos, que não sejam palhas consumíveís e sim ouro depurado na presença do Pai.
 “Eu sou aquele que sonda mentes e corações, 

e vos darei a cada um segundo as vossas obra” (Ap 2.23)

         'O sucesso sem sucessor é fracasso' 
Ah, como este conceito vale também na vida secular: na carreira acadêmica, em empresas, na liderança de uma igreja, de uma comissão... As pessoas, com o coração aberto, que promove o outro, colhe muito mais do que pessoas mesquinhas, que cultivam 'reininhos' e que lutam para conservar seu poder e abafar o outro. A Bíblia já nos adverte:
"A quem dá liberalmente, 
ainda se lhe acrescenta mais e mais; 
ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á em pura perda. 
A alma generosa prosperará, 
e quem dá a beber será dessedentado" (Pv 11.24-25).

         Que não busquemos glória humana e sim fazer a vontade de Deus, com ou sem reconhecimento do nosso próximo. O essencial é sermos canais da água da vida (Jesus Cristo) para que ao Seu nome, pessoas se dobrem e confessem que somente Deus é o Senhor!



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

"Bodas de Oliveira - 34 anos de casamento"


02/02/19: 34 anos de casamento - “Bodas de Oliveira”
"...eis que o Senhor está entre mim e ti, 
para sempre" (1 Sm 20.23b).

No Restaurante 'O Bacalhoeiro' (Rua dos Sapateiros, 218) em Lisboa (Portugal), estava escrito num vidro de azeite: "Com este fio não darás nós, mas criarás laços. Atrás o bacalhau e o grão, ligarás a salada e os legumes, molharás o pão e os beiços e temperarás a família, a amizade" (lagarvalesarzedo@hotmail.com)

No dia 02/02/19, fui pedida mais uma vez em casamento 😊. Lindo demais... 
Completamos 34 anos de casamento: ‘Bodas de oliveira’. Oliveira que produz o azeite que liga, tempera, forma laço em sabores tão diferentes. Laço que é encaixe, cumplicidade e não nó que sufoca. Laço que é parceria, enfeita e envolve, aconchega e alia.

Que, neste novo ano juntos, possamos continuar a cultivar aconchego entre nós e entre nossos filhos e amigos, tão especiais. Que saibamos saborear cada momento como se fosse único e extraordinário, deixando marcas inesquecíveis de doçura e serenidade mesmo nos 'nós da vida'.

Obrigada Leomam por resgatar em mim a crença no casamento. Tantos anos juntos e tantas realizações... que, com certeza, eu não conseguiria fazer sozinha. Sou grata a Deus pela Sua Presença que nos fortalece e ensina a apoiar o outro, em todo tempo: "Quem é esta que sobe do deserto e vem encostada ao seu amado?" (Ct 8.5).


Mas, é interessante refletir ainda sobre a oliveira e o azeite, que representam estas Bodas. Na Bíblia, a oliveira e o azeite simbolizam a esperança (Gn 8.11), a paz, a união, o sobrenatural de Deus (Gn 28.18, 35.14; Lv 14.10-18), a unção – Presença do Espírito Santo que transforma e capacita (Ex 29.2-23; Lv 6.15-21), a cura (Mc 6.13; Lc 10.34; Tg 5.14), a fartura (Dt 8.7-8), a resistência a secas prolongadas e  a longevidade (oliveiras tem raízes profundas), além da alegria perfeita (Sl 45.7; Hb 1.9).

Leomam, que sejamos sempre oliveira frondosa na casa de Deus, produzindo frutos dignos e agradáveis ao nosso Pai (Sl 52.8-9) e que a benção de Deus continue repousada sobre nós: “Teus filhos serão como mudas de oliveiras ao redor da tua mesa (Sl 128.3).






domingo, 6 de janeiro de 2019

"O poder da oração"

Elias experimentou o sobrenatural de Deus, pelo poder da oração. Seu clamor fez com que não faltasse alimento na casa de uma viúva que morava em Sarepta (1 Rs 17.8-16) e , também pela oração, o filho desta viúva ressuscitou (1 Rs 17.17-24). 
Elias enfrentou ainda os profetas de Baal no Monte Carmelo e, pelo poder da oração, pegou fogo aonde havia água (1 Rs 18.20-40).
Em outra circunstância, o fogo caiu do céu e matou capitães do exército e seus homens (2 Rs 1.9-16).
Pelo poder da oração, o Rio Jordão com o seu manto (2 Rs 2.8).
Rio Jordão - Israel







Tiago estimula o cristão a orar e diz que Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos (Tiago 5.17). É verdade, Elias sentiu medo da rainha Jezabel, ficou deprimido e, até pediu a Deus pra morrer (1 Rs 19.1-5). 

Então, por que Elias experimentou milagres extraordinários?
Tiago responde: Elias orava com instância!

O que significa instância? 
De acordo com o latim, instância significa proximidade (intimidade), assiduidade, veemência. 
Veêmencia, por sua vez, significa empenho, ardor, entusiasmo, interesse.

Que, em 2019, possamos orar a Deus com instância e sermos usados por Ele para inigualáveis e abundantes colheitas, em todas as áreas de nossas vidas.