“... Sob a Tua Palavra lançarei as redes" (Lc 5.5b)


'O Teu caminho, ó Deus, é de santidade.

Que Deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que opera maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder" (Sl 77.13-14)


quinta-feira, 26 de maio de 2016

'Nó, laço e um abraço!'

Outro dia foi comemorado o dia do abraço. 
Ah, um longo abraço faz um bem... Restaura a alma, não é verdade?

Abraço faz lembrar de ternura, de parceria, de ligação, de 'nós', de laços.
Em 2015, juntamente com meu marido e minha filha Deborah, estivemos no Restaurante 'O Bacalhoeiro (Rua dos Sapateiros, 218 - Lisboa - Portugal), e vimos um poema escrito num vidro de azeite: 
'Com este fio não darás nós, mas criarás laços. Atrás o bacalhau e o grão, ligarás a salada e os legumes, molharás o pão e os beiços e temperarás a família, a amizade'.

Ah, mas infelizmente nem todo abraço, todo encaixe é reconfortante...
Certo dia, minha filha Deborah atendeu no hospital um homem que sofreu um abraço de tamanduá. Conta-se que, quando o tamanduá sente-se amedrontado, fica de pé sobre suas patas traseiras e, então, abraça o 'inimigo', quebrando suas costelas e fincando nele suas potentes garras: um nó que pode ser fatal!

Sim, há pessoas que sufocam como um nó e com garras afiadas tentam tirar nossa seiva. Grudam, amarram, constrangem. Deixam tristes marcas para sempre! 
Ah, como este tipo de 'nó' precisaria ser transformado em 'nós', em parceria, em amor. 
Louvado seja o nosso Deus! Ele pode tratar as feridas, curar, ressuscitar a alegria, a esperança... Deus pode tratar também estes relacionamentos mal resolvidos trazendo perdão, misericórdia, renovo.

Os relacionamentos jamais devem ser nó e sim 'nós': laços que relembram alianças, não prendem. Enfeitam sem apertar, sem sufocar.
Laços que deslizam ao desmanchar porque não seguram e sim envolvem. Não é algema, é ternura. Traz o gosto de quero mais.
Sim para o laço, a coesão, a conexão. Para o laço que enfeita, alia. Para o 'nós' que aconchega.
Não para a coação, sujeição. Não para o nó que impede, paralisa, prende e mata...

Que Deus me ensine a desatar o nó das mágoas, das iras e das lembranças que angustiam e transformá-lo em nós, em laços perfumados...
Que Deus me ensine a criar vínculos com pessoas especiais e a saborear cada pedacinho da vida, curtindo cada momento, deixando marcas de doçura e serenidade mesmo nos 'nós das vida'.
Uma vida intensa, cheia de entusiasmo. Uma vida que saboreie cada abraço, cada momento, afinal:
'Não faz sentido ter mais dias de vida
se não tiver vida em nossos dias' (autor desconhecido).
Coloquemos vida em nossos dias, saboreando cada momento como se fosse único e extraordinário.

Pra finalizar, segue o texto 'Tempo que foge' (autor desconhecido), adaptado:

Tempo que foge
Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui pra frente do que já vivi até agora:
Tenho muito mais passado do que futuro…
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas…
As primeiras, ele chupou displicentemente, mas, percebendo que faltavam poucas passa a roer o caroço…
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades…
Para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha…
 ‘Pessoas que não debatem conteúdos, apenas rótulos…’
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulo
Quero a essência…Minha alma tem pressa…
Sem muitas jabuticabas na bacia quero viver ao lado de gente humana.
Verdadeiros amigos que sabem sorrir de seus tropeço.
Amigos que abraçam, que não dão nó, que não nos constrangem.
Amigos que não fogem de sua mortalidade…
Amigos que sabem que somente com Deus pode desfrutar do essencial.
Caminhar perto deles nunca será perda de tempo porque o essencial faz a vida valer a pena…
E para mim basta o essencial!

Senhor meu Deus, "Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio (Sl 90.12 - NTLH)

sábado, 21 de maio de 2016

'Afiando o machado'

'Afiando o machado' 
"Se o ferro está embotado, e não se lhe afia o corte, é preciso redobrar a força, mas a sabedoria resolve com bom êxito" (Eclesiastes 10.10).*

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria e o conhecimento do Senhor é prudência" (Pv 9.10)

Quem é sábio? É aquele que teme ao Senhor. 
Que afia o seu machado...


Certo lenhador, já idoso, famoso pela sua habilidade de cortar árvores foi desafiado por um jovem 'saradão'. Seria campeão aquele que no período de 8 horas cortasse o maior número de árvores. Amigos do jovem iam se regozijar com ele dizendo que o velhinho estava debaixo de uma árvore e que a vitória estava garantida. No final do tempo, o velhinho tinha cortado o dobro de árvores que o jovem
'Mas, como?' Perguntou o jovem. 'Meus amigos disseram que passou grande parte do seu tempo debaixo da árvore'. O sábio lenhador respondeu: 'Sim, estava lá, afiando o meu machado'.

O que aprendo?
1. Aprendo que as minhas derrotas reultam de machado 'cego'.
Do ponto de vista espiritual, o que seria afiar meu machado?
Seria se preparar, buscar orientação, capacitação, a força em quem pode dar: Deus!
"... Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, 
diz o Senhor dos Exércitos" (Zc 4.6b).
Pra trabalhar com machado cego é preciso bater com mais força e os resultados geralmente são insatisfatórios. 
Assim, a razão do meu estresse e das minhas derrotas são, muitas vezes, resultantes da confiança que deposito em minha própria força, que nada vale. 
"Se o Senhor não edificar a casa, 
em vão trabalham os que a edificam" (Sl 127.1).
Preciso aprender que não é a minha espada que me salva e não é no meu arco que devo confiar (Sl 44.6).

2. Aprendo que afio o meu machado quando oro a Deus.
Disse Jesus: "Sem mim, nada podeis fazer..." (Jo 15.5)
Deus é quem efetua em nós tanto o querer como o realizar conforme a Sua vontade (Fp 2.13).
Quando perco a perspectiva dos motivos que me movem e da origem da minha força, vou batendo o machado para todos os lados, sem foco, sem alvos definidos. Resultado? Destruição e fadiga!

3. Aprendo que afio meu machado quando entrego a minha vida (sentimentos, atitudes) nas mãos daqu'Ele que luta por mim.
Ah, mas eu oro, oro, oro e nada acontece... 
Creia que oração sincera, de entrega, com o coração quebrantado envolve Deus na minha história e agrada ao Pai.
 'Na oração coloco perante Deus o que está no meu coração e 
não o que deveria estar' (C.S.Lewis)
Preciso aprender a orar e esperar com paciência no Senhor, crendo que quando Deus está em silêncio está me preparando para novas e extraordinárias experiências. 
Ao invés de me queixar, devo afiar o meu machado, guardar os Seus mandamentos e crer que, no devido tempo, enxergarei o Seu agir de poder e graça porque: 
'... eu sei com certeza que bem sucede aos que temem a Deus' (Ec 8.12).
Saber isto faz toda diferença! É ter certeza da força e do agir de amor de Deus, que não me abandona!
*
É ter visão do todo e não do momento. 
É ter visão da eternidade, é olhar além do sol...
É compreender que assim como as pausas conferem sentido à música, sensibiliza e potencializa a atenção para os próximos compassos assim acontecerá com minha vida. Quando novas notas vierem tornarão o arranjo muito mais extraordinário.

Moisés esperou... Passou 80 anos se preparando (afiando o seu machado) para ser tremendamente usado por Deus.

4. Aprendo que cada um deve afiar seu próprio machado, não ficar na dependência do outro.
Não sou coadjuvante neste processo. 
O esforço é pessoal: orar, se dispor, agir sob a batuta de Deus.

5. Aprendo que devo afiar o machado na medida certa, no tempo determinado (Ec 3.1): há tempo de orar (afiar o meu machado) e tempo de agir.
"Disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? 
Dize aos filhos de Israel que marchem" (Ex 14.15)
Davi passou muitos anos nas cavernas onde orava e adorava a Deus (afiando o seu machado) para poder ser o maior rei que Israel já conheceu.
"Porque para todo propósito há tempo e modo..." (Ec 8.6a)
Há pessoas que vivem afiando o machado. Faz cursos, se prepara e nunca enfrenta: 'Ah, pede pra outro, ainda não estou preparado'. 
A lâmina do seu machado fica gasta e inútil. Não produzem, nunca chegam a lugar nenhum. 
O preparo é bom, é armazenar gordura, substância para o sustento nos dias maus. Mas há hora de enfrentar, de ir à luta. 
Preciso pagar o preço de afiar o machado e semear sempre, indiferente às circunstâncias:
  "Quem somente observa o vento nunca semeará, 
e o que olha para as nuvens nunca segará... 
Semeia pela manhã a tua semente e à tarde não repouses a mão, porque não sabes qual prosperará; se esta, se aquela ou se ambas igualmente serão boas" (Ec 11.4,6)    

6. Aprendo a semear com determinação e perseverança:
Quando pedras surgirem em meu caminho (frustrações, perdas, doenças, desemprego), ao invés de questionar, devo considerá-las como oportunidade de fortalecer minhas pernas e convicção (fé) e me preparar para novos desafios.
Sempre lembrando que num riacho, as pedras trazem uma linda e irresistível melodia.
Quando reclamo, Deus me repreende:
“Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo? Se em terra de paz não te sentes seguro, que farás na floresta do Jordão?” (Jr 12.5).
A provação é um teste e, se eu for aprovado, serei promovido para maiores incumbências. Então, o sobrenatural de Deus vencerá a rotina da minha vida e me levará para algo inesquecível. Sim, eu creio!
Os hinos mais belos foram escritos na hora da maior dor.

7. Quando afio o machado não desperdiço a vida.
Abraão afiava seu machado quando pela fé saia de sua tenda (Gn 15.5), quando erguia os olhos (Gn 13.14; 15.5) e enxergava pela fé (Gn 15.6) as maravilhas de um novo tempo (Gn 13.17). 
Então, com ousadia, Abraão prosseguia (Gn 13.1, 18). 
"... Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome: Sê tu uma benção!" (Gn 12.1-2).
         
Abraão creu e obedeceu a Deus e foi abençoado (Gn 15.6). 
Com machado afiado, minha vida jamais será fútil, jamais será inútil. 

8. Quando afio o machado minha visão melhora e saboreio cada momento.
Orar ensina-me que o melhor da vida (beleza, dignidade) já está comigo, mesmo em locais que considero singelo e tão desprovido de recursos.  
Aprendo que tudo que tenho, tudo que Deus me deu é o suficiente, é o bastante, é o que preciso pra desfrutar de uma vida extraordinária hoje.
Na Presença de Deus aprendo a viver com entusiasmo, em todo tempo. 
Entusiasmo (do grego): en + theos + asm: Deus em nós.
O meu interior tornar-se-á um abrigo exclusivo, um patrimônio tão elevado quanto a minha proximidade de Deus.  
A presença de Deus na minha vida me tornará companhia agradável para mim mesmo e para o meu próximo.
O homem sábio é dócil e sua presença é agradável (Ec 8.1b):
 "A sabedoria do homem faz reluzir o seu rosto, 
e muda-se a dureza da sua face"

9. Quando afio meu machado desfruto do sobrenatural de Deus!
Joquebede, mãe de Moisés, tinha um sonho! Que seu filho sobrevivesse no Egito num momento em que, por ordem do faraó, todas as crianças recém-nascidas deveriam ser mortas.
Mas, qual era o projeto de Deus? Que Moisés se tornasse um dos maiores líderes que o mundo já conheceu. Um arquiteto, sanitarista, legislador, diplomata, estrategista. Um homem que ficou na história mundial, tornando-se um ícone de liderança, de fé, de intimidade com Deus.

Quem afia o machado desfruta de muito mais do que imaginou ou ousou sonhar um dia porque quem atua é o Deus que tudo pode, Senhor do impossível.
Elias, um homem comum, foi tremendamente usado por Deus porque afiava seu machado.
O que estamos esperando? 
Vamos afiar nosso machado e perseverar neste intuito?
"Voltai à fortaleza, ó presos de esperança, também hoje, vos anuncio que tudo vos restituirei em dobro" (Zc 9.12)

10. Quando afio o meu machado, não sou displicente com o sagrado.
"De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem" (Ec 12.13)
Tá faltando choro, quebrantamento, reverência em minha vida?
 "Guarda o pé, quando entrares na Casa de Deus... 
não te precipites com a tua boca... sejam poucas as tuas palavras... Melhor é que não votes do que votes e não cumpras.... tu, porém, teme a Deus" (Ec 5.1-7)

Para o Senhor, o meu melhor! Coração aberto, disposto a ouvir ('Fala comigo Deus') e a obedecer. 
Tenho cantado 'Tudo, ó Cristo, a Ti entrego' - mas tenho segurado alguma coisa? Quando canto 'Maranata: Cristo vem me buscar', estou realmente querendo ir, agora, pra eternidade?


É preciso repensar a vida em face da morte 
porque somente quem pensa na morte valoriza a vida. 
Daqui a cem anos não fará diferença se a vida foi na nobreza ou na pobreza, repleta de homenagens e títulos ou no anonimato, no analfabetismo. O que fará diferença será como foi o meu relacionamento com Deus, se andei ou não em santidade de vida.  

Para Refletir: 
O que Deus pensa a seu respeito? 
Aonde tenho gasto o meu fôlego? 
O que mudaria na minha vida se soubesse que Jesus Cristo voltaria hoje? 
Para onde estou indo?

* Desenhos feitos pela minha filha Deborah